capa
Quando a publicidade transforma ódio em amor
São Paulo, 11 de Abril de 2019 ás 10h46

7 campanhas que usaram algo negativo para engajar positivamente
 
por JÉSSICA OLIVEIRA        
 
Empresas que viram marcas. Ideias que viram vendas. E ódio que vira amor. A publicidade tem superpoderes de impactar, melhorar, ressignificar e transformar. Em tempos de redes sociais e de todos os discursos negativos que permeiam as conversas, muitas campanhas partiram de mensagens e comportamentos ruins para chegar ao outro extremo e engajar positivamente. PROPMARK reuniu alguns bons exemplos.
 
1 - Alguns caracteres
Em 2014, a marca de cereal Honey Maid fez uma campanha com casais gays e de diferentes etnias. A marca foi bastante criticada, mas revidou de outra forma. A Droga5 chamou duas artistas que imprimiram os comentários e fizeram os comentários virarem amor.
 
 
2 - Nova reação
A Sprite e a agência Santo mostraram encontro de um hater com pessoas atacadas por ele. Conhecido no Twitter como @AguanteElCofler, ele ficou frente a frente com 100 pessoas que sofreram com seus tweets. Todos vestem uma camiseta com os insultos, falam os xingamentos na cara do rapaz, chegam perto do hater e... 
 
 
3 - DNA universal
E se o ódio e o preconceito começassem pela falsa ideia de superioridade  e de "raça pura"? Em 2016, o Momondo, website de comparação de voos, hotéis e carros para aluguel, lançou a plataforma Let’s Open Our World (Vamos Abrir Nosso Mundo, em português) para promover o interesse e a tolerância de pessoas com culturas e povos diferentes dos seus.  A campanha de 2016 usa o recurso de ancestralidadee acumula mais de 18 milhões de visualizações. O filme mostra pessoas de diferentes etnias, que se definiam orgulhosas de suas nacionalidades e suposta superioridade, descobrindo que há muito mais as aproxima do que as separa.
 
 
4 - Kiss
Peças de montagens que simulam beijos entre autoridades mundiais, como do ex-presidente americano Barack Obama beijando o ex-líder venezuelano Hugo Chávez. A campanha de 2011 do Grupo Benetton tinha como objetivo "contrastar a cultura do ódio e promover a aproximação de pessoas, religiões e culturas, além da compreensão pacífica das motivações dos outros”. A ação para a Fundação Unhate buscava contribuir para a criação de uma nova cultura de tolerância e combater o ódio. 
 
 
5 - Gotas de amor
Em 2018, a Absolut decidiu mostrar que mensagens de ódio podem virar algo melhor. A marca passou por três continentes, coletou placas e mensagens com mensagens de racismo, sexismo e homofobia, extraiu a tinta e usou o material para fazer um rótulo especial. A mensagem foi para 80 países diferentes.
 
 
6 - A força das palavras
A Coca-Cola "hackeou" diversas telas em 2015 para destacar o poder da positividade e como as palavras impactam a vida das pessoas. No filme #MakeItHappy, a bebida dá um bug nos dispositivos e transforma frases de ódio em imagens divertidas e fofas que fazem as pessoas se sentirem bem.
 
 
7 - Sem julgamento
Uma criação da agência FP7/DXB, de Dubai, para a Coca-Cola, defendeu um mundo sem preconceitos e rótulos. A campanha usou o feriado do Ramadã e latinhas cujo logo foram substituídos pela frase “Labels are for cans, not for people” (“Rótulos são para latas, não para pessoas”, em português). No vídeo, seis pessoas se encontram pela primeira vez em um jantar no escuro e conversam sem saber quem é quem, se surpreendendo ao acender das luzes.
 
 
Imagens e Vídeos: Divulgação. 



PropMark (11.04.19)



Comentários

    Atenção para o vencimento: 31 de janeiro
    

  Cadastre-se e receba nossa
  newsletter mensal




Filiado à

Sindicato das Agências de Propaganda do Estado de São Paulo - Av. Brigadeiro Faria Lima, 1656 2°andar - Conjunto 21 - Jardim Paulistano
CEP 01451-001 - São Paulo - SP - Telefone: 11 3035-0099 - atendimento@sinaprosp.org.br

Todos os direitos reservados – Sinapro-SP – Desenvolvido por Dainet