capa
Cannes reforça instrução para que júri combata estereótipos
São Paulo, 09 de Abril de 2019 ás 11h09

Em nova diretriz, Festival orienta membros a avaliarem se os trabalhos inscritos perpetuam desigualdades de gênero, raça, idade, etnia e outros preconceitos
 
Bárbara Sacchitiello
 
 
Unestereotype Alliance, iniciativa que conta com apoio da ONU Mulheres e de marcas de todo o mundo, auxiliou o Festival na elaboração das diretrizes (Crédito: Reprodução)
 
A preocupação do Festival Internacional de Criatividade Cannes Lions em relação ao combate aos estereótipos na indústria publicitária ganha um reforço na edição de 2019. A organização criou uma nova diretriz para orientar os jurados de todas as categorias que avaliem, entre as peças inscritas, quais são as que perpetuam desigualdades de gênero, raça, etnia, idade e outros preconceitos.
 
O objetivo da iniciativa é fazer com que as peças avaliadas pelo Festival sejam mais orientadas às defesas de igualdade e representatividade. As atuais diretrizes para o júri foram elaboradas com apoio da Unestereotype Alliance, iniciativa da ONU Mulheres de combate a preconceitos e estereótipos na indústria da comunicação. O trabalho contou com a participação de líderes de agências e de empresas de tecnologia.
 
Essa iniciativa é uma continuidade de uma diretriz apresentada em 2017 por Madonna Badger, fundadora da Badger & Winters e uma das maiores ativistas internacionais na causa da representatividade na publicidade. Na ocasião, Madonna fez um trabalho com alguns jurados do Festival, expondo peças que reforçavam estereótipos e questionando-os como eles se sentiriam se, naqueles trabalhos, estivessem retratados familiares ou pessoas das quais gostam.
“Os Leões entregues em Cannes são benchmark para a comunidade criativa global e é mais importante do que nunca que a nossa indústria mostre e premie ideias inclusivas, fortalecedoras e inovadoras. Como os consumidores exigem mais das marcas, essas orientações irão ajudar a assegurar que os trabalhos homenageados em Cannes sejam admirados não apenas por sua brilhante criatividade, mas por suas reflexões a respeito de um mundo mais igual e tolerante”, disse o chairman do Cannes Lions, Philip Thomas.
 
Desde 2015, o Festival tem olhado com mais atenção para a questão da equidade de gênero com a criação da categoria Glass – Lions for Change, orientada a reconhecer trabalhos que combatem estereótipos femininos e masculinos. Em 2017, o Festival já vinha dando recomendações ao júri para que evitassem reconhecer e premiar trabalhos que reforçassem qualquer tipo de preconceito.
 
 



Meio&Mensagem (09.04.19)



Comentários

    Atenção para o vencimento: 31 de janeiro
    

  Cadastre-se e receba nossa
  newsletter mensal




Filiado à

Sindicato das Agências de Propaganda do Estado de São Paulo - Av. Brigadeiro Faria Lima, 1656 2°andar - Conjunto 21 - Jardim Paulistano
CEP 01451-001 - São Paulo - SP - Telefone: 11 3035-0099 - atendimento@sinaprosp.org.br

Todos os direitos reservados – Sinapro-SP – Desenvolvido por Dainet